terça-feira, 30 de maio de 2017

Belém é opção de destino brasileiro para fugir do frio



Enquanto na região Sudeste a tendência nas próximas semanas é de dias mais frescos e até baixas temperaturas em algumas localidades, quem não gosta do frio pode ficar longe disso tudo, optar por roupas mais leves, bebidas refrescantes e aproveitar todas as cores, paisagens, cheiros e sabores oferecidos pela capital paraense, Belém. Uma cidade com 401 anos de história, com temperatura média de 27º, praticamente o ano todo, e onde usar agasalhos é quase uma raridade.

Conhecida como ""Cidade das Mangueiras"", em razão do grande número de árvores da fruta espalhadas pelas ruas da capital, Belém também é um destino turístico marcado pela magia da floresta, por uma cultura de forte tradição indígena e religiosa. Belém é também a terra do Círio de Nazaré, procissão católica que reúne anualmente, no segundo domingo de outubro, mais de dois milhões de romeiros pelas ruas da capital. A importância dessa manifestação e sua grandiosidade resultou em seu reconhecimento como patrimônio cultural imaterial do país.

A secretária Silvana Cantos visitou Belém e conta que ""é uma cidade de culinária exótica, de cultura autêntica e locais interessantes de se conhecer. No Mercado Ver-o-Peso pude sentir diferentes aromas e sabores do Pará. É uma imensa feira livre onde se encontram desde peixes, frutas, ervas medicinais, doces, temperos, até artesanato local"", relata.

Silvana também deliciou-se com um saboroso suco de cupuaçu e recomenda a todos os turistas conhecer a praia de água doce Ilha do Mosqueiro. ""É calma e aconchegante. E as chuvas que caem do céu sem aviso prévio como se quisessem nos surpreender? E surpreendem. Belém é maravilhosa! Vou ter que voltar"", afirma, categórica.

Visita obrigatória

Como citou Silvana, o Mercado Ver-o-Peso é uma mostra farta de especiarias, frutas amazônicas e da comida tradicional paraense, onde é possível comprar comidas típicas da região e ainda provar o legítimo açaí, acompanhado de farinha d"água, farinha de tapioca e até camarão seco. Outra dica é saborear um sorvete com sabor de alguma fruta originária da região como cupuaçú, taperebá, bacuri, entre outros. No Mercado é possível, ainda, comprar porções que prometem tirar o mau olhado, chamar o amor ou trazer mais dinheiro em uma das várias barracas das chamadas erveiras.

Outro destaque é a Estação das Docas, complexo turístico às margens da baia do Guajará. O local comporta três armazéns e chega a receber média de 95 mil visitantes por mês, de acordo com informações do Ministério do Turismo.

Outra marca de Belém está no artesanato paraense de origem indígena. Utilizam-se todos os tipos de material retirado da própria região, como cerâmica, cestaria, talha, objetos de madeira, de conchas, cuias e outros materiais.

Para quem curte a natureza, uma opção de passeio é o Bosque Rodrigues Alves, uma amostra da mata amazônica original, com 2.500 árvores. O local abriga espécies da flora e da fauna como o peixe-boi amazônico, maior mamífero de água doce das Américas. O bosque tem área de 152 mil metros quadrados com lagos, grutas e orquidário. Foi construído pelo barão de Marajó, que sonhava com uma réplica do Bois de Boulogne, de Paris. O Parque e Museu Emílio Goeldi é um centro de pesquisa biológica e agronômica. Rara chance de conhecer um verdadeiro santuário da fauna e da flora amazônicas, informa a Coordenadoria Municipal de Turismo de Belém (Belemtur).

Outras atrações

A Belemtur elenca outros tesouros para os turistas. O Forte do Castelo foi erguido em 1878 no mesmo local onde os portugueses construíram em 1616 o forte do Presépio, marco da fundação da cidade. Os canhões ainda estão sobre seus trilhos de ajuste de pontaria no piso de pedra.

A Basílica de Nazaré, de 1909, reproduz a Basílica de São Paulo, em Roma. Na cripta, um museu sobre a tradicional festa do Círio do Nazaré. A Catedral da Sé possui painéis do italiano Domenico di Angelis e altar-mor doado pelo papa Pio 9. É daqui que parte todo ano o Círio de Nazaré. Foi inaugurada em 1771 e é uma das relíquias da cidade.

O Museu de Arte Sacra mantém exposição permanente de obras dos séculos 17, 18, 19 e 20. O Theatro da Paz teve inauguração em 1878, em estilo neoclássico. No teto do salão, pintura do italiano Domenico de Angelis. Marco da fase áurea do ciclo da borracha no Pará.

E, para completar o passeio, que tal uma visita à Cidade Velha, bairro que conserva a arquitetura colonial da cidade. Sobradinhos geminados, azulejos portugueses na fachada, ruas estreitas, becos e calçadas de pedra. Uma deliciosa volta ao passado. (Da Redação, com informações do Ministério do Turismo e Coordenadoria Municipal de Turismo de Belém).

FONTE:[http://www.jornalcruzeiro.com.br/materia/781858/belem-e-opcao-de-destino-brasileiro-para-fugir-do-frio]

Nenhum comentário: